Orleans

Convênio assinado entre Unibave e Cidasc possibilitará avanço na pesquisa de bovinocultura

Fotos: Marcos Dalmoro
Fotos: Marcos Dalmoro

Na tarde desta quarta-feira, 16, foi realizada a assinatura de um convênio entre o Centro Universitário Barriga Verde – Unibave e a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc.

O convênio irá possibilitar a realização de uma pesquisa por georreferenciamento sobre Fascíola Hepática, a partir do levantamento epidemiológico das principais enfermidades de bovinos diagnosticadas em abatedouros.

Além da assinatura, na ocasião foi entregue pelo presidente da Cidasc, Enori Barbieri, a chave de um carro que foi doado para a instituição para o desenvolvimento da pesquisa.

O professor do Unibave Mauro Maciel Arruda, que é um dos autores do projeto explicou ao público a proposta da pesquisa que pretende melhorar a situação dos produtores e dos abatedores. “Esses casos de zoonoses não são dispersos, essa parceria pretende dar uma resposta para o poder público, academia e comunidade”, comentou Arruda. Para ele os órgãos do estado possuem muitos dados e informações e essa associação pode gerar conhecimento para as universidades.

Segundo o professor a pesquisa será um trabalho integrado entre várias áreas para combater a doença. “O intuito é identificar as propriedades e trabalhar junto com o produtor em uma equipe multidisciplinar de biólogos, agrônomos e veterinários” , contou Arruda.

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, destacou o projeto de pesquisa entregue à companhia pelos professores do Unibave. “Quando trouxeram a ideia imediatamente aceitamos a proposta. A universidade ir buscar a solução de um problema junto a Cidasc, é um ato simples, mas de grande relevância, é dessa forma que crescemos”.

Para o presidente, o ensino e a pesquisa são feitos para a sociedade e esse estudo soma com um dos objetivos da Cidasc, que é cuidar da defesa sanitária de todo o estado.

O Secretário de Estado da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina, Moacir Sopelsa, também esteve presente na solenidade e ressaltou que não é o dinheiro que dá o conhecimento, mas é a pesquisa aliada a tecnologia. “É fundamental dar força e oportunidade para as pessoas irem buscar o conhecimento, essa pesquisa vai trazer qualidade para os rebanhos, abatedores e para os produtos do nosso estado”, frisou Sopelsa.

Texto: Thaiara Pilon

navigate_before
navigate_next